Texto -A +A

Como manter uma boa higiene bucal

Saúde na Escola

Manter uma boa higiene bucal ajuda a prevenir o mau hálito e outros problemas causados pela proliferação de bactérias na cavidade oral, como o tártaro, cáries e gengivite.
Publicidade

Manter uma boa higiene bucal é extremamente importante em todas as idades. Os cuidados com a boca, gengiva e, em especial, com os dentes previnem o mau hálito e alguns outros problemas bucais, como a cárie, tártaro e gengivite, que em geral são causados pela proliferação descontrolada de bactérias na cavidade oral.

A alimentação aliada a outros fatores propicia a instalação e multiplicação de bactérias na boca. Por isso, devemos ter muita atenção com a nossa higiene bucal, limpando a boca, gengiva, língua e dentes adequadamente.

Quando pensamos em higiene bucal, normalmente, nos vem à mente escovar os dentes apenas, mas cuidar da nossa saúde bucal vai além disso. O consumo de qualquer tipo de alimento contribui para a proliferação de bactérias dentro da boca, então os resíduos alimentares precisam sempre ser retirados após as refeições. Isso deve ser feito em todas as fases da vida, inclusive ainda quando bebê, mesmo que a criança não tenha dentes.

A ideia de que a limpeza bucal deve ser feita somente a partir do nascimento do primeiro dente é um grande erro cometido, infelizmente, por muitas mães. É recomendado passar na gengiva do bebê uma fralda ou gaze limpa e úmida após a mamada, de modo a retirar os resíduos do leite. Existe ainda a possibilidade de utilizar um instrumento muito comum para esse fim, a dedeira de silicone. Esse ato, além de combater a proliferação de bactérias na boca, prepara a gengiva para o nascimento do primeiro dente.

Outro erro bastante comum entre a população é o de achar que a primeira ida ao dentista deve ocorrer apenas quando a criança já tiver sua dentição formada. Isso é errado, pois toda fase da vida necessita de cuidados específicos na higienização bucal; dessa forma, é importante que a criança vá ao dentista o quanto antes. Assim, os pais aprenderão corretamente todas as ações necessárias para uma boa higiene bucal do filho. Além do mais, o dentista é o profissional responsável por analisar a saúde bucal do paciente e prever situações de risco, como a cárie, tártaro e gengivite, além de mostrar como esses males podem ser evitados e cuidados, caso ocorram.

A partir do nascimento dos dentes de leite, deve ser iniciada uma rotina diária de higienização bucal que envolve escovar os dentes e passar fio dental. O uso de antisséptico bucal (enxaguante bucal) pode complementar a limpeza oral, mas não é um item obrigatório e deve ser usado em casos específicos e com recomendação de um odontólogo, pois o seu uso indiscriminado pode aumentar os riscos de câncer de boca e de faringe, como foi constado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP).

A escovação dentária é uma das principais etapas da rotina de higienização bucal. Devemos escovar os dentes pelo menos três vezes ao dia, mas o mais indicado é escovarmos sempre após qualquer refeição, para evitarmos o acúmulo de comida na boca, prevenindo, assim, a criação de um ambiente favorável à proliferação de bactérias. No caso dos pequenos, é recomendado o uso de uma escova de dente adaptada para crianças e com cerdas macias. Nessa faixa etária, é importante o acompanhamento dos pais durante a escovação para ensinar a criança a escovar os dentes corretamente, até que ela tenha autonomia de fazê-lo sozinha.

Os dentistas costumam recomendar que a escovação seja feita por pelo menos dois minutos, realizando movimentos circulares e por todas as partes dos dentes. É importante também escovar os dentes com um creme dental que contenha sais de flúor – fluoreto, porém na quantidade adequada para cada idade. O uso de pastas com alta concentração de fluoreto por crianças menores de 7 anos de idade pode causar uma doença chamada fluorose dental.

Outro aspecto importante é o cuidado com a escova e a sua substituição. Após escovar os dentes, devemos agitá-la, de modo a deixá-la o mais seca possível e guardá-la em pé, o que contribui para que ela seque melhor. Devemos trocar nossas escovas a cada três meses, pois, ao longo do tempo, as cerdas começam a se deformar, tornando a escovação menos eficaz. Além disso, as escovas são meios muito favoráveis à proliferação de fungos, bactérias e outros micro-organismos, então seu uso por muito tempo favorece que esses seres se multipliquem.

Não devemos nos esquecer de que devemos escovar não só os dentes, mas também a língua. A superfície rugosa da língua propicia a instalação de bactérias e restos de comida em sua superfície, podendo influenciar o surgimento de problemas infecciosos e o desenvolvimento de mau hálito. Os dentistas recomendam que a língua seja limpa de uma a duas vezes por dia. Não é necessário o uso de creme dental, basta escová-la com a própria escova de dente ou com limpadores ou raspadores de língua.

O uso do fio dental é extremamente importante para completar a higienização dentária. A escovação dentária, sozinha, não é suficiente para a remoção da placa bacteriana ou dos resíduos alimentares onde as cerdas da escova não alcançam. O fio dental deve ser usado pelo menos uma vez por dia, de preferência antes da última escovação.


Por Flávia Figueiredo
Graduada em Biologia

Publicidade

Água x Incêndios

Inscrições

ProUni

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

Dica de redação

Dica de Redação

Dica

Curiosidades do sono