Texto -A +A

Jovens e Bebidas

Psicologia

Publicidade

No Brasil, o consumo de bebidas alcoólicas entre os jovens se inicia por volta dos 12 anos de idade, na pré-adolescência.

Os pais não precisam esperar que os filhos iniciem essa prática para conversar sobre o assunto, mas mostrar que o consumo dessas bebidas deve respeitar os limites do próprio corpo.

Caso seus pais autorizem que experimentem bebidas, aos poucos, irão perceber as reações maléficas que as mesmas causam ao organismo.

O jovem deve se manter afastado do álcool, porque é também considerado uma droga que leva ao vício. Aceitar convites de amigos para fazer seu uso às escondidas, nos bares das cidades ou mesmo em praças públicas e escolas pode levar a outras decorrências, pois a embriaguez aparece sem que a pessoa perceba.

Isso é importante, pois os jovens são muito influenciáveis, gostam de agir com o modelo do seu grupo e os padrões determinados por sua turma, mas devem mostrar opinião própria sobre o assunto e não se deixar levar por atitudes dos amigos, que podem prejudicar sua vida. Quando já conhecem as consequências que as bebidas causam, conseguem controlar melhor as influências da turma, acreditando que não devem beber para manter as amizades.


Bebida – droga que prejudica o desenvolvimento do cérebro

Os pais devem servir como exemplo para os filhos nessa importante etapa da construção de seu caráter. Pais que bebem exageradamente, que se embriagam com freqüência, podem despertar nos filhos os mesmos interesses pelas bebidas alcoólicas, fazendo com que se tornem potenciais usuários desse tipo de droga.

Proibições em exagero também não é a melhor forma de orientar, porque despertam a curiosidade e buscam uma forma de transgressão das regras impostas. Se na sua casa não se faz o uso de bebidas alcoólicas é bom manter o diálogo aberto sobre o assunto, compartilhar discussões acerca dos efeitos que as bebidas fazem para o organismo, das atitudes que as pessoas têm sob os efeitos do álcool, levantar pesquisas na internet, pois auxiliarão na formação da opinião sobre o assunto.

Discutir sobre o cotidiano, reportagens de televisão, jornais e revistas mostrando fatos causados pela ingestão de álcool, como: acidentes fatais no trânsito, ocorrências policiais, mortes violentas, afogamentos e outros, também será uma forma de alertar sobre os malefícios do álcool.

O importante é a família abrir espaço para o jovem conhecer o assunto e saber lidar com as surpresas que surgem no decorrer de sua vida, para que sinta segurança em rejeitar a bebida quando alguém lhe oferecer e não se sentir ameaçado por não aceitá-la.

O principal é aprender que pode participar de um grupo ou se divertir, sem fazer o uso do álcool e de outros tipos de drogas.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola

Veja Mais!
Ensinando sobre Segurança
Como falar de segurança sem deixar seus filhos com medo

Educação - Brasil Escola

Publicidade

Síndrome de Tourette

Saiu o Gabarito!

Enem

Você Sabia?

Mito ou Verdade?

Curiosidades