Texto -A +A

O que é feudalismo?

O que é História?

Feudalismo foi a estrutura da organização socioeconômica da Europa Centro-Ocidental durante a Idade Média.
Publicidade

Feudalismo é o nome dado à forma de organização econômica e social vivenciada na Europa Centro-Ocidental durante o período histórico conhecido como Idade Média, entre os séculos V e XV. O nome é derivado dos feudos (ou vilas), as unidades de habitação e produção que eram características do período. Essas grandes propriedades agrárias demonstraram que houve um processo de ruralização da sociedade que habitava o continente europeu e as ilhas Britânicas, bem como uma passagem da organização do trabalho pautada no escravismo para a servidão.

O feudo era formado geralmente pelo senhor feudal, por escravos (que eram minoritários à época) e por camponeses, livres ou em condição de servidão. Havia ainda artesãos nos feudos, representando um número pequeno de pessoas, exercendo trabalhos agrícolas para sua subsistência. Uma das caraterísticas do feudalismo era a tendência para a autossuficiência das grandes propriedades agrárias, situação que levou a uma diminuição do comércio na região, se comparado com as trocas comerciais que existiram no Império Romano.

O feudalismo seria o resultado da fusão de elementos de organização social derivados tanto dos séculos finais do Império Romano do Ocidente quanto das populações bárbaras.

Por exemplo, havia a clientela, a relação de dependência social entre os indivíduos em Roma, base da relação entre senhor e servo; e o colonato, que em Roma significava a fixação do homem na terra, dificultando a mobilidade da população servil durante sua passagem para o feudalismo.

Outro elemento romano que serviu para a constituição do feudalismo foi o precarium, a entrega de terras a um senhor em troca de proteção. Colonato e precarium formaram as bases da instituição da servidão durante o feudalismo.

Um elemento da organização social bárbara que se manteve durante o feudalismo foi o comitatus, que consistia na relação de lealdade entre os guerreiros e os chefes tribais, servindo de base para o estabelecimento das relações de suserania e vassalagem entre os membros da nobreza. Havia também a influência das leis consuetudinárias, baseadas no costume e que serviram para conformar os direitos das pessoas durante o período.

A nobreza era a classe mais alta do feudalismo, pois era quem controlava as grandes propriedades agrícolas. Era da nobreza que provinha os senhores feudais e os principais membros do clero. Entre os nobres, havia diferenciação social entre suseranos e vassalos, sendo os primeiros os que detinham mais poder em relação aos segundos. O poder se exercia durante o feudalismo através do controle de um maior número de terras e servos. Assim, um suserano entregava a um vassalo certa quantidade de terras e servos em troca de sua lealdade, principalmente durante as guerras, que eram constantes.

Os servos eram os camponeses que constituíam a maior parte da população no feudalismo. Viviam presos a terra e eram obrigados a prestar pesados serviços e a pagar uma grande quantidade de tributos aos senhores feudais, sendo essa forma de exploração do trabalho a base da riqueza feudal.

Havia ainda, em menor número, escravos e também os vilões, antigos proprietários livres que estavam ligados a um senhor, mas que também eram obrigados a prestar serviços e a pagar tributos.

Apesar de haver um estatuto social distinto do clero, eles não se distinguiam muito dos senhores feudais, a não ser pelo controle religioso do catolicismo cristão que essa camada da nobreza detinha. As igrejas e abadias eram detentoras de um grande número de terras e servos, realizando uma forma de exploração do trabalho camponês que em nada se diferenciava dos demais senhores feudais. O cristianismo, como principal sistema ideológico do período, era também uma das principais características do feudalismo. Foi o cristianismo católico controlado pela Igreja que moldou os comportamentos, a cultura e os ideais do homem medieval. Por isso, a Igreja transformou-se na principal instituição do feudalismo.

O feudalismo foi tratado pelos homens do Renascimento Cultural como um período de obscurantismo da história europeia, por ter sido a cultura greco-romana suplantada pela cultura religiosa cristã. Foi por isso que o feudalismo também ficou conhecido como Idade Média, um período intermediário entre a Antiguidade Clássica e a Idade Moderna, sendo esta última a idade dos homens do renascimento, que buscaram resgatar a cultura greco-romana.

Apesar de os homens da Idade Moderna caracterizarem o feudalismo como um período de trevas, houve avanços tecnológicos, como a adoção do estribo que deu novo dinamismo às cavalgadas, a agricultura dos três campos (rotação de culturas), a utilização do arado de ferro (charrua) e sua adaptação para a utilização de cavalos em substituição aos bois. Os moinhos foram aperfeiçoados, bem como o artesanato, tanto na área têxtil quanto na militar, principalmente em decorrência das inúmeras guerras pela disputa do poder.

* Crédito da Imagem: University of Massachusetts Lowell


Por Me. Tales Pinto

Publicidade

Erros Comuns na Regra de Três

Fuvest 2018

Fuvest

Danos Morais

Curiosidades

Você Sabia?