Texto -A +A

Introdução de Microcomputadores

Informática

Publicidade

A indústria dos computadores pessoais começou em 1971 com a introdução do primeiro microprocessador, o Intel 4004.

Mas a indústria decolou de verdade logo após a edição de janeiro de 1975 da revista Popular Electronics, da Ziff-Davis, que anunciava o "Sucesso do Projeto" Altair 8800, da MITS, citado pela revista como "o primeiro kit para minicomputador do mundo a concorrer com os modelos comerciais". Pelos padrões atuais, este kit inicial desenvolvido por Ed Roberts, que liderava a MITS, uma pequena companhia de componentes eletrônicos de Albuquerque, Novo México, era bastante limitado. Ele se baseava no microprocessador 8080 da Intel e tinha apenas 256 bytes de memória.

Com um preço bem acessível, US7, o Altair foi o primeiro computador pessoal disponível em grande escala para o público em geral. Ele atraiu centenas de pedidos por parte de entusiastas da eletrônica. Um dos que notaram este evento embrionário foi um jovem programador da Honeywell chamado Paul Allen, que mostrou o artigo da Popular Electronics a um velho amigo, um calouro da universidade de Harvard chamado Bill Gates. A dupla rapidamente uniu suas forças para elaborar uma versão do BASIC para o Altair. Em pouco tempo, Allen foi trabalhar para a MITS como diretor de software e, logo em seguida, Gates deixou Harvard para juntar-se a Allen em Albuquerque e dar início a uma empresa que, mais tarde, seria conhecida como Microsoft. (Outro ex-funcionário da MITS, David Bunnell, publicaria, mais tarde, uma variedade de revistas especializadas em computação, dentre elas a PC Magazine.)

Com a introdução do Altair, a indústria de computadores pessoais decolou. O ano de 1977 assistiu a uma explosão de interesse pelos computadores pessoais e à introdução de urna longa sucessão de máquinas - Commodore PET, Radio Shack TRS-80 e - a mais importante de todas - a Apple II, de Steve Wozniak e Steve Jobs.

O Apple II desenvolveu rapidamente seu próprio padrão, com o inestimável auxílio do projeto de Wozniak, em 1978, de uma econômica unidade de disco flexível e - o mais importante - do VisiCalc, a primeira planilha eletrônica, elaborado por Dan Bricklin e Bob Frankston. Com a introdução do VisiCalc, os homens de negócios encontraram, repentinamente, unia razão para utilizar os computadores pessoais. Este já não era mais um mundo de lazer.

O restante da década viu passar vários projetos diferentes, enquanto uma companhia após outra tentava definir uma combinação exclusiva de potência, preço, desempenho e recursos. As máquinas introduzidas neste período abrangiam desde as ofertas para usuários domésticos e aficionados - como o Vic-20 e o 64, da Commodore, a série 400, da Atari, e o TI-99, da Texas Instruments - até os dispositivos mais orientados à área comercial, como uma série de máquinas da Tandy/Radio Shack e diversos projetos que executavam o sistema operacional CP/M, da Digital Research, elaborado pelo pioneiro da computação pessoal, Gary Kidall.

Devido ao rápido crescimento do mercado e ao fato de que a compatibilidade descendente não significava muito no início, o período foi marcado por uma criatividade em hardware jamais vista. Obviamente, o ramo do software também começou a crescer, com a rápida aparição de uma variedade de linguagens de programação, jogos e até mesmo de aplicativos comerciais, como o popular Processador de textos WordStar.

Em pouco tempo, ninguém mais via os computadores pessoais como brinquedos ou hobby, mas sim como dispositivos de produtividade pessoal com visíveis aplicações comerciais. A era do computador pessoal estava estabelecida, de uma vez por todas. E a IBM, que há muito tempo dominava a área dos computadores de grande porte, queria a sua fatia deste bolo.

A IBM de 1980, muito mais do que a IBM atual, não era uma companhia acostumada com os mercados de mudanças rápidas e com as vendas ao consumidor final. Ela vendia máquinas comerciais - principalmente computadores e máquinas de escrever - a grandes empresas, utilizando sua própria tecnologia e apoiando-se excessivamente num bem estruturado sistema de vendas e prestação de serviços às grandes contas.

O ramo dos PCs precisava de algo diferente. Este novo mercado estava mudando com grande velocidade e um recém-chegado teria que se movimentar depressa. Além disto, teria que se dividir entre os usuários individuais e as empresas, mesmo que a meta principal fosse continuar a vender computadores comerciais. Isto foi o que disse William C. Lowe, diretor de laboratório da unidade de Sistemas de Nível de Entrada da IBM em Boca Raton, Flórida, ao Comitê de Gerenciamento Corporativo da IBM, o que incluía o presidente da IBM, John Open, em julho de 1980.

Lowe disse ao comitê que a IBM precisava construir um computador pessoal e que havia um espaço no mercado ainda não canalizado pela Apple e outras empresas. Contudo, disse ele ao comitê, ele não poderia ser construido dentro da cultura padrão da IBM daquela época. Sendo assim, eles lhe deram a liberdade de recrutar 12 engenheiros para formar uma força-tarefa, chamada Projeto Chess, e construir um protótipo de computador.

No mês seguinte, a força-tarefa de Lowe já tinha várias reuniões com outros representantes da jovem indústria e tomou algumas decisões importantes que, posteriormente, viriam a afetar a arena do PC pelos próximos anos. Uma destas decisões foi a de comercializar o computador pessoal da IBM através de lojas de varejo, além de oferecê-lo por meio da equipe de vendas comissionada da própria IBM. Mas talvez a decisão mais importante da companhia tenha sido a de utilizar uma "arquitetura aberta": selecionar os componentes básicos e o sistema operacional de fontes externas à IBM. Esta era uma grande mudança para a IBM que, até este ponto, projetava todos os principais componentes de suas máquinas.

Em agosto, Lowe e mais dois engenheiros, Bill Sydnes e Lew Eggebrecht, fizeram a demonstração de um protótipo ao Comitê de Gerenciamento Corporativo, que aprovou o plano básico e deu ao Projeto Chess o OK para a criação de um computador pessoal chamado Acorn.

Para liderar o grupo que o construiria, Lowe procurou Philip D. "Don" Estridge, outro antigo funcionário da IBM que trabalhava no laboratório de Boca Raton. Estridge recrutou uma equipe que incluía Sydnes, líder da engenharia, Dan Wilkie, responsável pela manufatura, e H. L. "Sparky" Sparks, para a liderança das vendas.

Uma das primeiras decisões a serem tomadas era a escolha do Processador que alimentaria o PC. A força-tarefa havia decidido que queria um computador de 16 bits, já que ele seria mais potente e mais fácil de programar do que as máquinas de oito bits existentes. A Intel havia anunciado recentemente o 8086 de 16 bits, mas Sydnes disse, mais tarde, que a IBM teve receio de que o 8086 fosse potente demais e concorresse demais com outros itens da IBM.

Assim, eles optaram pelo 8088, uma versão do chip com barramento de oito bits e estrutura interna de 16 bits. Esta tecnologia de oito bits oferecia o benefício adicional de trabalhar com as placas de expansão oito bits existentes e com dispositivos oito bits relativamente baratos, como os chips controladores, que poderiam, assim, ser incorporados de maneira simples e barata à nova máquina.

Outra decisão importante era o software. Em julho, membros da força-tarefa fizeram uma visita à Digital Research para solicitar à empresa que ela portasse seu sistema operacional CP/M para a arquitetura 8086. Diz a lenda que seu fundador, Gary Kildall, estava pilotando seu avião naquela ocasião. Seja qual for a razão, a esposa de Kildall, Dorothy, e os advogados da DR não assinaram o contrato de exclusividade apresentado pela IBM. Assim, a equipe da IBM foi embora, seguindo ao norte, até Seattle, para reunir-se com a Microsoft, de quem esperavam obter urna versão do BASIC.

Os executivos da Microsott assinaram um contrato com a IBM para o fornecimento do BASIC e, logo, Bill Gates e a companhia estavam discutindo não só o BASIC como também um sistema operacional. Imediatamente após, a Microsoft adquiriu um sistema operacional 8086 que atendia por diversos nomes, incluindo "Quirk and Dirty DOS", ou QDOS, elaborado por Tim Patterson, de uma companhia chamada Seattle Computer Products. A Microsoft incrementou este sistema operacional, licenciando-o para a IBM, que o comercializava como PC-DOS.

Seguiram-se, então, meses febris de união de hardware e software, até que, numa quarta-feira, 12 de agosto de 1981, quase um ano após o OK dado ao Projeto Chess, a IBM apresentou o IBM Personal Computer. Comercializado inicialmente pelas lojas Computerland e nas Centrais Comerciais da Sears, aquele primeiro PC - com uma CPU 8088, 64Kb de RAM e uma unidade de disco flexível de 160 Kb de face simples - tinha um preço de tabela de US.880.

Quando o IBM PC foi lançado, em outubro, Estridge - então considerado o pai do PC - e sua equipe eram o exemplo do sucesso.

Fonte:  A Introdução dos Computadores por Raimundo G. - http://www.di.ufpb.br/raimundo/HistoriaDoPC/PChist1.htm

Informática - Brasil Escola

Publicidade

Dica de matemática

Encceja

Encceja

Curiosidades

Geografia

Você Sabia?