Texto -A +A

Idade Contemporânea

História Geral

A Idade Contemporânea tem como início simbólico a Revolução Francesa, perpassa por acontecimentos como as duas guerras mundias e estende-se até os nossos dias.
Publicidade

A divisão esquemática dos períodos da história entre Antiga, Medieval, Moderna e Contemporânea foi traçada por historiadores do início do século XIX logo após o processo revolucionário que se desencadeou na França. Desse modo, a expressão “Idade Contemporânea”, como sendo o último estágio do processo histórico vivido até então, referia-se aos acontecimentos que eram contemporâneos a esses historiadores do século XIX. Desde então, tornou-se corriqueiro adotar essa divisão. Assim como a Idade Moderna, simbolicamente, teve início com a conquista de Constantinopla pelos turcos-otomanos em 1453, a Idade Contemporânea teve seu marco inicial simbólico com a irrupção da Revolução Francesa em 1789.

Esta seção de Idade Contemporânea, portanto, organiza e oferece ao leitor um conteúdo que abrange o período desde 1789 até os acontecimentos atuais mais relevantes. Após todas as etapas do processo revolucionário francês, que se desenvolveu na década de 1790, seguiu-se a Era Napoleônica, que teve início em 1799, com a fase do consulado, e estendeu-se até 1815, quando Napoleão renunciou ao poder. O império de Napoleão Bonaparte mudou radicalmente o mapa da Europa e inaugurou uma nova concepção de Estado nacional, em detrimento do Estado Moderno Absolutista.

A despeito das tentativas de restaurar o Antigo Regime após a queda de Napoleão, tentativas essas expressas pelo Congresso de Viena (1815), o modelo do Estado nacionalista, com pretensões expansionistas, dominou o século XIX. A Unificação da Itália e a Unificação da Alemanha, com a consequente Guerra Franco-Prussiana, seguiram essa esteira. O enfraquecimento dos impérios ultramarinos, como o espanhol e o português, em virtude das guerras napoleônicas, também proporcionou os processos de independência na América Latina, bem como a busca pela hegemonia no continente americano por parte dos Estados Unidos da América.

Associadas ao nacionalismo europeu do século XIX, a Segunda Revolução Industrial e a fusão do capitalismo financeiro com o capitalismo industrial deram a base do chamado Neocolonialismo, ou Imperialismo europeu. Esse fenômeno histórico ficou caracterizado pela busca de expansão da indústria e pela procura de matérias-primas e mão de obra em outros continentes, sobretudo na África e na Ásia. Essas ideologias nacionalistas provocaram uma enorme tensão no continente europeu que culminou na formação das alianças (Tríplice Aliança e Tríplice Entente) político-militares que se digladiaram na Primeira Guerra Mundial.

De certa forma, o século XX começou, de fato, em 1914, com o advento da Primeira Guerra. Isso porque esse acontecimento foi um marco na história mundial e na história das guerras. A dimensão catastrófica que a “A grande guerra”, como foi chamada, assumiu era sem precedentes. Mais uma vez o mapa da Europa foi radicalmente transformado, sobretudo após o Tratado de Versalhes. Os grandes impérios nacionalistas entraram em colapso, e novas formas de organização política e militar surgiram. A Revolução Russa, completada nos últimos meses de 1917, e a consequente formação da URSS são exemplos dessas novas formas de organização política, bem como a ascensão de regimes como o Nazismo e o Fascismo.

Em pouco mais de vinte anos (de 1918 a 1939) o mundo foi abarcado por uma nova guerra mundial, ainda mais catastrófica que a primeira. A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) revelou várias formas de destruição em massa de vidas humanas, desde o holocausto dos judeus (um genocídio programado e executado em escala industrial) até o uso de bombas incendiárias e, por fim, o uso das bombas atômicas. Após 1945, mais uma vez, o mapa geopolítico foi transformado.

A chamada Guerra Fria dominou o cenário mundial de 1945 a 1989. Durante esse período, vários focos de guerra de diferentes tipos e por motivos diversos espalharam-se pelo mundo. A ordem geopolítica foi dividida entre as democracias ocidentais, de orientação liberal e lideradas pelos EUA, e os países comunistas, de orientação intervencionista e antidemocrática, liderados pela URSS. Vários são os pontos que caracterizaram esse período, desde as corridas armamentista e espacial até a Construção do Estado de Israel e as guerras no Oriente Médio. Marcaram esse período também a construção do Muro de Berlim e a sua posterior queda, o esfacelamento do império soviético, a hegemonia americana e a atual ascensão da China e da Rússia como novas potências hegemônicas.

Boa leitura!


Por Me. Cláudio Fernandes

Canais Idade Contemporânea
Artigos Idade Contemporânea

A corrida espacial

A Idade Contemporânea

A ideologia imperialista

Publicidade

A Iugoslávia

A política de portas abertas

A queda de Ceausescu e a Revolução Romena

A questão basca

A questão da Irlanda

A Renúncia de Fidel Castro

A Reunificação da Alemanha

A Revolução Chinesa

A Unificação Italiana

AK-47: a arma mais versátil do mundo

Apartheid

Assalto ao quartel Moncada e a Revolução Cubana

Atentados de 13 de novembro em Paris

Belle Époque

Bloco Europeu

Bloco Norte-Americano

Blocos Econômicos

Bloqueio de Berlim e a Guerra Fria

Breve História da televisão

Brexit: a saída do Reino Unido da União Europeia

Checoslováquia

Comuna de Paris

Comunismo

Conferência de Teerã

Conflito na Chechênia

Conflito no Quênia

Congresso de Viena

Criação do Estado de Israel

Crise de 29

Crise do Petróleo

Crise dos Mísseis

Crise no Marrocos

Darwinismo social

Descolonização Afro-asiática

Discursos jacobinos na Revolução Francesa

Ditaduras Latino-americanas

Doutrina Keynesiana

Economia Política

Escândalo de Watergate

Fascismo na Itália

Fim da União Soviética

Franquismo

Grande Salto para Frente na Revolução Chinesa

Guernica, a história de uma obra

Guerra Civil Espanhola

Guerra contra civis

Guerra da Bósnia

Guerra da Coreia

Guerra de Secessão

Guerra do Afeganistão

Guerra do Golfo

Guerra dos Seis Dias e o poder israelense

Guerra Franco-Prussiana e os nacionalismos

Guerra russo-japonesa

Guerra Ultramar e a descolonização da África

Guerras do Ópio

Guerrilha e terrorismo

Impeachment de Bill Clinton

Independência do Congo

Invasão Nazista na Grécia

Iraque e Estados Unidos: um novo New Deal?

Ku Klux Klan

Linguagem do Terceiro Reich

Máquina Enigma

Martin Luther King

Massacre de Nanquim

Morte de Fidel Castro

Morte de Osama Bin Laden

Movimento Punk

Nacionalismo

Natureza Humana e Tecnologia

Neocolonialismo

Neoliberalismo

New Deal

O Capitalismo Financeiro

O período romântico na literatura mundial

Ofensiva dos EUA na invasão da Baía dos Porcos

ONU

Operação Valquíria: o plano para matar Hitler

Os Novos Tigres

Os Panteras Negras e a luta racial nos EUA

Ovos de Páscoa da família Romanov

Perestroika e glasnost na URSS

Plano Marshall

Primavera de Praga

Primavera dos Povos

Primeira Guerra Árabe-Israelense, 1948-1949

Primeira Guerra sino-japonesa

Programa nazista lebensborn

Radicalismo do Estado Islâmico

Regimes Totalitários

Relações sociais no século XXI

República de Weimar e a ascensão do nazismo

Restauração Meiji

Revolução Cubana

Revolução Cultural Chinesa 1966-1976

Revolução dos Cravos

Revolução e Contra Revolução

Revolução Mexicana

Revolução xiita no Irã

Salazarismo

Santa Aliança

Sionismo

Socialismo

Socialismo Cristão

Socialismo Utópico

Socialismo x Anarquismo

Tática black bloc e suas origens

Terrorismo anarquista

Terrorismo nos EUA

Terrorismo nos EUA: 11 de setembro de 2001

Totalitarismo

Unificação Alemã

Vida e morte de Nelson Mandela

Vietnã x Iraque

Zollverein

Publicidade
Últimas Notícias