Texto -A +A

Universidades na Idade Média

História

As universidades na Idade Média desenvolveram uma estrutura muito complexa que possibilitou o desenvolvimento intelectual e científico, cujo legado hoje desfrutamos.
Publicidade

O aparecimento das universidades na Europa Cristã por volta dos séculos XII e XIII está entre os principais acontecimentos da Idade Média. As universidades da Idade Média tornaram-se as mais significativas instituições educacionais e intelectuais desde a época clássica, período em que se destacaram o liceu de Atenas e outras instituições notórias. O que caracterizou as universidades na Idade Média foi a forma de organização, bem como a liberdade para o estudo de temas diversos, universais, como o próprio nome sugere.

Como criações eclesiásticas, isto é, que nasceram de iniciativa da Igreja Católica, as universidades, de certo modo, originaram-se como extensões dos colégios episcopais, nos quais os jovens estudantes aprendiam o domínio das sete artes liberais, que eram a base da educação da Idade Média. No entanto, as universidades só começaram a destacar-se como um sistema de educação e investigação mais complexo que os colégios episcopais por volta do século XIII. Inclusive, data desse século a carta encíclica Parens scientiarum, do Papa Gregório IX, que legitimou a universidade enquanto instituição eclesiástica.

Data também do século XIII o triunfo do pensamento escolástico medieval, que permeava os estudos mais avançados das universidades em todas as suas áreas de investigação, desde o direito canônico e a medicina até à teologia, astronomia, lógica e retórica. A organização das universidades estava orientada pelo corpo eclesiástico. Sendo assim, seus fundamentos intelectuais, como obras fundamentais e os eixos programáticos de estudos, bem como seus professores, integravam a própria estrutura da Igreja. Como expõe a historiadora Regine Pernoud, em sua obra “Luz sobre a Idade Média”:

“[…] Criada pelo Papado, a Universidade tem um caráter inteiramente eclesiástico: os professores pertencem todos à Igreja, e as duas grandes ordens que ilustram, no século XIII, Franciscana e Dominicana, vão lá, em breve cobrir-se de glória, com um S. Boaventura e um S. Tomás de Aquino; os alunos, mesmo aqueles que não se destinam ao sacerdócio, são chamados clérigos, e alguns deles usam a tonsura – o que não quer dizer que aí apenas se ensine a teologia, uma vez que seu programa comporta todas as grandes disciplinas científicas e filosóficas, da gramática à dialética, passando pela música e pela geometria.” (PERNOUD, Regine. Luz sobre a Idade Média. Publicações Europa-América, 1996. pp. 98)

O graduando da universidade medieval era chamado de artista, remetendo à ideia de que quem domina as artes liberais. As primeiras universidades comumente citadas são as de Paris (França), Bolonha (Itália), Oxford e Cambridge (Inglaterra). A universidade de Paris destacou-se no século XIII pelos estudos avançados em teologia e artes, enquanto Bolonha, na mesma época, desenvolveu altos estudos em direito.

A Universidade de Paris destacou-se na Idade Média por seus estudos em teologia e artes *
A Universidade de Paris destacou-se na Idade Média por seus estudos em teologia e artes *

O método de estudo e discussão escolástico, a disputatio, era o principal método empregado nos debates de estudos avançados nas universidades medievais. A Suma Teológica, escrita por São Tomás de Aquino, está completamente ancorada nesse método. Outros campos de estudo que se destacaram foram o da filosofia natural (geralmente ancorada na metafísica e na física de Aristóteles), da música e da astrologia.

*Créditos da imagem: Shutterstock e JBDesing


Por Me. Cláudio Fernandes

Publicidade

Dica de matemática

Encceja

Encceja

Curiosidades

Geografia

Você Sabia?