Texto -A +A

Império Turco-otomano

História

O Império Turco-otomano foi a mais poderosa organização política islâmica da história, tendo durado de 1299 a 1923.
Publicidade
  • O que foi o Império Turco-otomano?

O Império Turco-otomano foi um dos mais longos da história, tendo durado de 1299 a 1923. Nasceu de um sultanato muçulmano, desenvolvido na região da Anatólia, também conhecida como Ásia Menor, onde se localiza a atual Turquia. Esse império foi também um dos mais extensos, abrangendo regiões como partes do Leste e do Sul da Europa, o Norte da África, o Oriente Médio e parte do Sudeste Asiático.

  • Como se formou o Império Turco-otomano?

O fundador do sultanato turco que deu origem ao referido império foi Osman de Segut (1280-1326), também conhecido como Osman I, ou Othman. Osman pertencia ao grupo dos seljúcidas, nômades turcos que se converteram ao islamismo e formaram um império que dominou a Ásia Central nos séculos XII e XIII. Em 1299, Osman declarou a sua jurisdição na Anatólia, então vinculada ao Império Seljúcida, independente deste. A partir desse ano estava fundado o sultanato turco-otomano (o termo “otomano” foi uma homenagem ao seu fundador).

  • Conquista de Constantinopla (1453)

Como era típico da tradição muçulmana, em sua fase de expansão, cada sultão que emergia à liderança do Império Turco-Otomano precisava demonstrar a sua autoridade, conquistando e subjugando outros povos, de modo a ampliar ainda mais as dimensões territoriais. Nesse sentido, a principal conquista empreendida pelos turco-otomanos foi a da cidade de Constantinopla, centro do Império Bizantino, também conhecido como Império Romano do Oriente, o mais poderoso império da Idade Média. Essa conquista ocorreu em 1453, época em que Constantino XI Paleólogo governava os bizantinos. O conquistador turco responsável pela queda de Constantinopla foi Mehmet II, que transformou a cidade em centro de seu império, dando a ela o nome de Istambul, que permanece até hoje.

  • Batalha de Lepanto (1571)

Com a conquista do Império Bizantino, as pretensões de dominação dos turco-otomanos voltavam-se cada vez mais para a Europa ocidental. Um dos pontos altos dessa fase expansionista foi a chamada Batalha de Lepanto, ocorrida na região costeira homônima, na Grécia, em 7 de outubro de 1571.

A batalha de Lepanto freou a expansão turco-otomana na Europa
A batalha de Lepanto freou a expansão turco-otomana na Europa

Essa batalha reuniu potências ocidentais ligadas ao Sacro Império Romano-Germânico e à Igreja Católica, que formaram a Liga Santa. Entre essas potências, estavam a República de Veneza, Reino da Espanha, Cavaleiros de Malta e Estados Pontifícios. O Império Turco-Otomano, à época, era governado pelo sultão Selim II, que ordenou a invasão da ilha de Chipre (que estava sob posse dos venezianos) no ano seguinte (1570). Prevendo a reação das potências católicas, o sultão ordenou ao comandante Mehmet Ali Paxá que preparasse as embarcações de guerra e se posicionasse entre a ilha de Creta e a Península do Peloponeso. O conflito ocorreu com a chegada das embarcações da Liga Santa na região de Lepanto.

A batalha durou 10 horas. Cerca de 20 mil muçulmanos foram mortos contra 9 mil do lado cristão. Essa derrota representou um freio à expansão otomana no continente europeu. Entre os participantes da batalha, estava Miguel de Cervantes, autor de Dom Quixote de La Mancha.

  • Primeira Guerra Mundial, declínio e queda do Império

Ao longo dos séculos XVIII e XIX, o Império Turco-Otomano começou a entrar em um período de estagnação. Esse período ficou marcado pela articulação militar e diplomática com alguns países ocidentais, como a França e a Alemanha, e guerras intensas e periódicas contra outros, como o Império Russo. Além disso, passou a haver revoltas internas que foram minando o império, como a revolta dos janízaros (elite militar turca) em meados dos anos 1820, que foi sufocada com o massacre promovido pelo sultão Selim III.

O advento da Primeira Guerra Mundial em 1914 acelerou a desagregação do Império Turco-Otomano, já que a guerra provocou um colapso generalizado tanto na Europa quanto no Oriente Médio. Os otomanos foram aliados dos alemães e austríacos durante a guerra contra os russos, ingleses e franceses. Com é sabido, os alemães e seus aliados foram derrotados. Com a derrota, o Império Turco-Otomano foi obrigado a assinar o Armistício de Mudros, que cedia aos vencedores, sobretudo aos ingleses e franceses, porções de seu território. Todavia, houve resistência de algumas regiões, que aproveitaram a ocasião para promover a sua independência. Foi o caso da Anatólia, que, liderada por Mustafá Kemal, entrou em guerra contra o sultão Mehmed VI.

Essa guerra estendeu-se pelos anos seguintes até que, entre 1922 e 1923, realizou-se a Conferência de Lausanne, na Suíça, que, entre outros assuntos, determinava a separação entre sultanato e califado, isto é, a separação entre a autoridade política e a autoridade religiosa. Essa decisão culminou na fuga do último sultão e califa, Mehmed VI, como deixa claro o historiador Alan Palmer:

Tão logo a notícia da fuga de Mehmed VI foi confirmada em Ankara, o ministro de Assuntos Religiosos expediu um fetva de deposição. Mehmed foi acusado de abandonar o Califado em conluio com inimigos da Turquia às vésperas da abertura da Conferência de Lausanne, quando seria revisto o acordo de paz. No dia seguinte, a Suprema Assembleia Nacional elegeu o mais velho filho vivo de Abduaziz, Abdulmecid II, para suceder ao primo como Califa. O novo líder dos fiéis era um esteta afável com cinquenta e poucos anos. [1]

O poder político na Anatólia, que se tornou a Turquia, nessa época, passou então aos militares liderados por Kemal. Abdulmecid II permaneceu como califa até 1924 – sendo o último da dinastia otomana. Chegava, assim, ao fim o poderoso e vasto Império Turco-Otomano.

NOTAS

[1] PALMER, Alan. Declínio e queda no Império Otomano. São Paulo: Globo, 2013. p. 261.


Por Me. Cláudio Fernandes

Publicidade

Eleições Indiretas no Brasil

Fies

Fies

Vírgula: Mitos

Curiosidades

Você Sabia?