Texto -A +A

O doping e o mito do herói

Drogas

Publicidade

É bastante comum olhar um atleta de alto nível como um herói, até mesmo porque a mídia televisiva esportiva costuma tratá-lo assim. Para essa mídia brasileira, o atleta é um herói porque em geral ele é mal pago, porque os treinamentos são muito rigorosos e porque ele representa o nosso país. E ele é ainda mais herói quando é pobre no começo de sua carreira, e esse é um fato importante: em um país guiado por uma ideologia liberal, baseada no princípio do vencedor, o perdedor não tem lugar. E uma pessoa de classe baixa que vence na vida pelo seu próprio esforço, ao ponto de representar o país, é vestida com honrarias e reconhecida fatalmente como heroína.

O fato de muitos atletas terem sido premiados com o manto nobre do herói e depois terem sido pegos em exames antidoping costuma chocar o público. Choca, porque um herói que se preze seria um campeão por natureza, sem precisar de auxílio químico. Alguns casos de doping no esporte ficaram bastante famosos, como é o caso de Ben Johnson, que teve sua medalha de ouro cassada nos Jogos Olímpicos de Seul, e da americana Marion Jones, que ganhou cinco medalhas em Sidney.

Não é o caso, aqui, de discutir se os atletas realmente ingeriram substâncias não permitidas pelo comitê ou se foi um engano. Isso não importa. O que importa é que o atleta é um ser humano que busca a superação do seu corpo diariamente, e como tal, às vezes encontra no doping um meio de se manter no auge do seu esporte. Em todo caso é preciso entender o que é doping. Bem, doping é qualquer alteração, incentivada por meios não naturais, que ocorre no funcionamento do organismo em prol de melhorar o rendimento em determinada atividade física. Ao contrário do que parece, o doping não é uma prática moderna: desde 2000 a.C., os chineses já usavam substâncias que, quando mastigadas, tinham um efeito estimulante e, mais tarde, nas Olimpíadas antigas, era comum o uso entre os atletas de uma miscelânea de plantas, cujo principal ingrediente era um cogumelo, que surtia efeitos alucinógenos. Talvez, o caso mais chocante de doping tenha ocorrido na antiga Alemanha Oriental entre as décadas de 1970 e 1980: engravidavam-se as atletas de modo que elas chegavam à competição grávidas de dois a três meses. Nesse período, o organismo da mulher aumenta naturalmente a sua taxa de hemoglobina, fazendo com que aumente a sua capacidade aeróbia. Após a prova, as atletas passavam por abortos e voltavam aos seus treinamentos.

Porém foi já antes disso, na década de 1960, que o Comitê Olímpico Internacional (COI) juntamente com a UNESCO inciaram um programa sistematizado de combate ao doping, elaborando uma legislação apropriada e, consequentemente, punições também apropriadas. Em geral, costuma-se classificar o doping em três tipos diferentes:

1. Doping pré-competitivo é aquele que tende a preparar o atleta para a competição. Os mais usados são diuréticos, transfusões de sangue, esteroides anabolizantes e hormônio de crescimento;

2. Doping durante a competição: São aquelas substâncias que, quando assimiladas em momentos próximos à competição, melhoram o rendimento do atleta. São elas: calmantes, estimulantes e analgésicos.

3. Doping pós-competitivo: Os diuréticos são bastante utilizados nesse caso, cujos motivos podem ser a perda rápida de peso ou a eliminação da ingestão de outro tipo de doping competitivo ou pré-competitivo.

O combate ao doping tem um problema: o de que a tecnologia de dopar um atleta está sempre à frente do seu sistema de detecção. Isso nos leva a pensar que muitos atletas que vemos como heróis são humanos. Humanos ao ponto de optarem pelo uso do doping para atingir e manter o seu reinado. Será que o corpo humano já não atingiu o seu limite?

Por Paula Rondinelli
Colaboradora Brasil Escola
Graduada em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP
Mestre em Ciências da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP
Doutoranda em Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo - USP

Drogas - Brasil Escola

Publicidade

Dica de Português

Enem 2017

Enem

Baleia Azul

Baleia Azul

Por que vacinar?

Atualidades