Texto -A +A

Deixar de nhenhenhém

Curiosidades

Publicidade

Ao longo de sua história, a formação da cultura brasileira foi resultado de um dinâmico processo de empréstimos, trocas e reelaborações. Muitos nem imaginam, por exemplo, que o vocabulário da nossa língua seja influenciado por uma numerosa lista de termos de origem indígena. Em alguns casos, algumas expressões passam completamente despercebidas pelos falantes do “português brasileiro”.

Quando reclamamos que alguém deveria “deixar de nhenhenhém”, talvez por impaciência ou simples desconhecimento, nem suspeitamos da influência do tupi nessa expressão. Do ponto de vista etimológico, a palavra “nhenhenhém” consiste em um aportuguesamento dos verbos tupis “nhe’eng” (que significa falar) e “nheéng nheéng” (que sugere a ação de “insistir” ou “teimar”).

Ao entrarem em contato com os portugueses, os índios do litoral brasileiro não compreendiam uma só vírgula da língua utilizada pelos estrangeiros. Da mesma forma, os portugueses demoraram certo tempo para que pudessem compreender o universo de significados da língua dos nativos. Nesse meio tempo, é bem provável que alguns índios daquela época não ficavam muito interessados em perderem seu tempo com o “nheeng-nheeng-nheeng” (falar-falar-falar) dos colonizadores europeus.

De forma semelhante aos índios daquela época, ficamos irritados quando somos obrigados a aturar horas a fio uma conversa, discurso ou palestra pouco interessante. Como se ouvíssemos uma língua completamente desconhecida, transformamos aquela fala prolixa em um irritante amontoado de sons sem sentido. Portanto, clareza e objetividade se tornam essenciais para que o ato comunicativo não vire um enfadonho “nhenhenhém”.


Por Rainer Sousa
Graduado em História

Publicidade

Dúvida Verbal

Inscrições abertas!

Fies

Palácios do Brasil

Curiosidades

Você Sabia?