Texto -A +A

Espermicida

Biologia

O espermicida é um produto químico colocado no interior da vagina que impede que o espermatozoide chegue ao útero.
Publicidade

Os métodos contraceptivos são utilizados para evitar uma gravidez indesejada. Eles devem ser escolhidos de acordo com a realidade de cada casal, avaliando-se sempre o custo do método, a facilidade do uso, sua capacidade de reversibilidade, a proteção contra doenças sexualmente transmissíveis, efeitos colaterais e a aceitabilidade por parte dos envolvidos. Os métodos contraceptivos podem ser de barreira, hormonais, definitivos e comportamentais. Os métodos de barreira são aqueles que impedem a passagem do espermatozoide, impossibilitando, portanto, a fecundação.

Entre os métodos de barreira existentes, podemos destacar os espermicidas, também chamados de espermaticidas. Trata-se substâncias químicas usadas no interior da vagina e no colo do útero para impedir que espermatozoide atinja o canal cervical.

Os espermicidas podem ser encontrados na forma de cremes, geleias, filmes, supositórios, comprimidos, tabletes ou espumas e são formados por diferentes substâncias químicas, sendo a mais comum o nonoxinol-9. Essa substância age na membrana do espermatozoide, diminuindo sua mobilidade ou causando a sua morte. Além do nonoxinol-9, outras substâncias bastante utilizadas são o menfegol, clorexidina e o cloreto de benzalcônio.

O modo de usar o espermicida é bastante simples: basta colocar o produto o mais próximo possível do colo do útero. Quando a substância estiver na forma de comprimidos e tabletes, será necessário colocar e aguardar pelo menos 15 minutos antes da relação sexual. Vale destacar também que é necessário observar na bula do produto o tempo de ação do espermicida a fim de evitar novas relações após o fim do efeito medicamentoso. A grande maioria dos produtos possui ação por cerca de uma hora.

O uso do espermicida pode provocar irritação na vagina e/ou no pênis, sendo recomendando, nesses casos, o interrompimento do uso do método. Dependendo da quantidade e da frequência do uso, podem surgir microfissuras na mucosa da vagina, o que favorece o desenvolvimento de doenças sexualmente transmissíveis. Além dessas doenças, o uso do espermicida favorece o desenvolvimento de candidíase, vaginose bacteriana e infecções urinárias.

Os espermicidas apresentam uma eficácia relativamente baixa quando comparados com outros métodos, apresentando índice de falha de 29% em uso habitual. Quando associados com outros métodos, tais como camisinha e diafragma, podem aumentar significativamente a eficiência dessas técnicas.

ATENÇÃO: O espermicida não é recomendado para pessoas com múltiplos parceiros, uma vez que podem aumentar os riscos de acometimento por DST.


Por Ma. Vanessa dos Santos

Publicidade

Erros Comuns na Regra de Três

Fuvest 2018

Fuvest

Danos Morais

Curiosidades

Você Sabia?